Páginas

Pesquisar este blog

Sejam Bem Vindos!

Este espaço também é seu.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Salário do professor no Brasil é o 3º pior do mundo


O professor brasileiro de primário é um dos que mais sofre com os baixos salários, mostra pesquisa feita em 40 países pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) divulgada ontem, em Genebra, na Suíça. A situação dos brasileiros só não é pior do que a dos professores do Peru e da Indonésia.Um brasileiro em início de carreira, segundo a pesquisa, recebe em média menos de US$ 5 mil por ano para dar aulas. Isso porque o valor foi calculado incluindo os professores da rede privada de ensino, que ganham bem mais do que os professores das escolas públicas. Além disso, o valor foi estipulado antes da recente desvalorização do real diante do dólar. Hoje, esse resultado seria ainda pior, pelo menos em relação à moeda americana.Na Alemanha, um professor com a mesma experiência de um brasileiro, ganha, em média, US$ 30 mil por ano, mais de seis vezes a renda no Brasil. No topo da carreira e após mais de 15 anos de ensino, um professor brasileiro pode chegar a ganhar US$ 10 mil por ano. Em Portugal, o salário anual chega a US$ 50 mil, equivalente aos salários pagos aos suíços. Na Coréia, os professores primários ganham seis vezes o que ganha um brasileiro.Com os baixos salários oferecidos no Brasil, poucos jovens acabam seguindo a carreira. Outro problema é que professores com alto nível de educação acabam deixando a profissão em busca de melhores salários.O estudo mostra que, no País, apenas 21,6% dos professores primários têm diploma universitário, contra 94% no Chile. Nas Filipinas, todos os professores são obrigados a passar por uma universidade antes de dar aulas.A OIT e a Unesco dizem que o Brasil é um dos países com o maior número de alunos por classe, o que prejudica o ensino. Segundo o estudo, existem mais de 29 alunos por professor no Brasil, enquanto na Dinamarca, por exemplo, a relação é de um para dez.
Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o salário médio do docente do ensino fundamental em início de carreira no Brasil é o terceiro mais baixo do mundo, no universo de 38 países desenvolvidos e em desenvolvimento. O salário anual médio de um professor na Indonésia é US$ 1.624, no Peru US$ 4.752 e no Brasil, US$ 4.818, o equivalente a R$ 11 mil. A Argentina, por sua vez, paga US$ 9.857 por ano aos professores, cerca de R$ 22 mil, exatamente o dobro. Por que há tanta diferença?
Fonte: Jornal do Commercio - Rio de Janeiro (15/11/2008)

Mais Atividades NATALINAS

ATIVIDADES NATALINAS





Natal





quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

FIQUE DE OLHO!

Moradores afirmam que 50 bandidos cariocas estariam no Morro da Coruja, em Neves. Pelo menos outros 15 suspeitos teriam chegado de van à comunidade do Jacaré, em Piratininga

Dezenas de traficantes do Rio teriam migrado na madrugada desta segunda-feira para favelas de Niterói e São Gonçalo. Pelo menos quinze bandidos, oriundos do Jacarezinho, estariam escondidos em uma comunidade de Piratininga. Em São Gonçalo, informações dão conta que 50 criminosos, também oriundos de favelas cariocas, teriam chegado na madrugada desta segunda-feira ao Morro da Coruja, em Neves.

O delegado titular da 81ª DP (Itaipu), Adilson Palácio, afirmou que já está investigando a denúncia que traficantes oriundos da Favela próxima a Benfica, teriam migrado para a comunidade do Jacaré, na Região Oceânica. Moradores teriam visto um veículo utilitário, com bandidos armados, entrando na comunidade, pertencente à facção criminosa Comando Vermelho (CV), a mesma que controla a favela no Rio.

“Recebi essa informação que viram uma van entrando na comunidade do Jacaré. Não sei se é, de fato, do Jacarezinho, ou de outra localidade. Nosso departamento de investigações está levantando informações e assim que tivermos algumas posições concretas, iremos nos mobilizar para a realização de alguma operação”, informou Palácio.

O delegado, no entanto, não crê que a suposta migração tenha a ver com a ação dos traficantes que promoveram ataques do Complexo do Alemão.

“Sei que a especulação existe, mas não acredito que se ocorreu essa migração, tenha sido motivada pelos últimos dias. Se ocorreu, é algo planejado pelos bandidos que são da mesma facção”, avaliou.

O delegado pede que a população ajude com informações. “É imprescindível que moradores que saibam de informações possam ligar para a delegacia ou para o Disque-Denúncia. Que tomem de exemplo o que ocorreu no Complexo do Alemão. Denunciem e ajudem a pacificar suas comunidades”, finalizou.

São Gonçalo – Na cidade vizinha, moradores do Morro da Coruja também denunciam a migração de bandidos oriundos do Rio. O titular da 73ªDP (Neves), Luiz Antônio Ferreira, porém, afirmou que ainda não confirmou as denúncias.

“Há muito boato girando em torno de possíveis fugas dos criminosos do Complexo do Alemão para qualquer lugar de Niterói e São Gonçalo, claro, estariam na rota de fuga. Mas, por enquanto, não há nada de concreto”, garantiu.

Batalhões fazem varredura

PMs dos batalhões de São Gonçalo e Niterói contribuíram para a apreensão de mais de 40 toneladas de maconha durante a operação no Complexo do Alemão. O primeiro foi responsável pela apreensão de 23 toneladas de maconha.

“Nosso efetivo de cerca de 30 homens conseguiu localizar essa quantidade entre o Largo do Bulufa e o Largo do Coqueiro”, disse o comandante do 7º BPM, tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira. Além das drogas, armas de grosso calibre foram apreendidas pelos militares, incluindo um fuzil .50, capaz de derrubar aeronaves.

Já o efetivo do 12º BPM apreendeu meia tonelada de maconha, além de três granadas, um fuzil calibre 762 e outro .30, cerca de 50 carregadores de fuzil, pistolas e mais de mil munições.

O governador Sérgio Cabral afirmou ontem, durante a abertura do fórum sobre infraestrutura da Olimpíada Rio 2016, em Copacabana, no Rio, que as Forças Armadas e as polícias do Rio continuarão ocupando o Alemão até que seja implementada a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) naquela comunidade.